Sites, Hot Sites, Portais, Intranets: Open Source, Solução Sob Medida, etc?

Ao identificar a necessidade de criar, desenvolver ou adaptar Sites, Hot Sites, Portais, Intranet, etc, com a gama de opções de soluções tecnológicas e um variado leque de faixas de investimento, vem à dúvida de como fazer a melhor opção custo-benefício.

Separamos algumas alternativas para iniciar sites, hot sites, portais, intranets:

Sistema gratuito à disposição na web; Open Source;

ou seja, de código aberto e gratuito, ou que tenham algum custo de customização, alguns de baixo valor, outras bem mais altas. No geral, tem baixo custo de investimento inicial. Mas existem riscos, e o principal é que não há certeza da evolução do código e de como e com qual frequência, serão feitas as aplicações de melhorias, já que a plataforma depende da dedicação da comunidade de desenvolvedores que são defensores do código aberto. As customizações também podem ser mais limitadas, mesmo que sejam feitas por empresas específicas sem esperar o avanço da plataforma pela comunidade. Como ponto positivo também existe a constante liberação de extensões e plug-ins para integrações diversas. É uma opção para quem quer experimentar open source sem grandes investimentos, porém já sabendo que encontrará algumas ou limitações mais sérias a partir de um determinado ponto de sucesso do negócio, ou seja, a escalabilidade é ruim, além das limitações criativas da área pública, que é o que internauta interessado nos seus produtos e serviços enxerga na internet. Algumas referêncais : Opencart, Magento, Woo Comerce (Wors Press) e outros.

– Código fonte aberto e gratuíto, o que permite adaptações profundas, dependendo do modelo de contratação que usou para contratar ou não uma empresa para auxiliar com a implantação. O que pode aumentar o valor de investimento inicial. Recomenda-se profunda análise da proposta de trabalho de quem vai auxiliá-lo, o que é prudente para qualquer tipo de contratação, sempre.

– Requer download, instalação e adaptação do código, e para isto pode depender de uma pessoa ou empresa especializada. Este é um aspecto a ser bem observado para não ter o velho o problema do “barato sair caro”, ao contratar alguém que não tenha a correta especialização para o projeto, e nem que não tenha condições de dar o suporte necessário durante e após a implantação, se necessário.

– Equipe de TI para implantação e suporte pode custar muito caro dependendo do tipo de implantação pretendido. Mas para as soluções simples e mais usuais, costuma ser bem vantajoso.

– Poder de personalização depende do conhecimento da plataforma.

– Alto poder de integração de extensões com plugin´s, API´s, etc.

– Alta disponibilidade de extensões criadas por fornecedores parceiros

– Integração com CRM, ERP, WMS e outras plataformas via API´s.

– Implementação relativamente rápida, se não quiser fazer grandes adaptações e customizações.

– Liberdade para escolher onde quer fazer a hospedagem, podendo contratar alguém ou uma empresa para auxiliá-lo ou não.

– Requer equipe profissional para realização de intervenções mais complexas.

– A escalabilidade e a segurança normalmente são críticas se não forem acompanhados por profissionais experientes.

 - Software gratuito de algum serviço de hospedagem;

- Escolher uma delas e procurar alguém para desenvolver uma criação digital, a fim de para ter um design diferenciado, se for possível, escapar de templates destas opções, além de se certificar que o fornecedor escolhido tenha bons cases e equipe com experiência, pois embora, aparentemente, seja de fácil adaptação, existem aspectos de segurança entre outros que devem ser previstos: capacidade de crescimento e escalabilidade, que são itens que normalmente tem restrição para este tipo de solução, se não bem definida por quem vai fazer a adaptação; as vantagens e limitações são muito próximas das open sources.

 - Acoplar as opções acima e contratar uma empresa especializada em criação e desenvolvimento de sistemas web para de desenvolver funcionalidades específicas;

Alugar um sistema de E-commerce de uma empresa que já tenha soluções desenvolvidas, com um valor fixo mensal ou variável, acréscimos por visitação, vendas, etc;

Existem inúmeras opções no mercado com modelos de cobrança bem diversificados como por : pageviews (número de paginas vistas), volume/quantidade de pedidos, percentual de faturamento e outros. No geral elas tem a mesma limitação de customizações das open sources, porém, mais ainda, pois o código-fonte é fechado e fica sob o controle da empresa que aluga a plataforma, inibindo desta forma as customizações tecnológicas da plataforma em si por sua livre e espontânea iniciativa e necessidade. Normalmente os avanços tecnológicos são realizados em novas versões, sem tempo pré-definido. Existem exceções onde a empresa proprietária do código-fonte da plataforma faz concessões de customização para clientes específicos, e na maioria das vezes precisa ser feito pela própria empresa proprietária, e aí o valor do investimento pode ser proibitivo e até mesmo, demorado. A liberação de plug-ins para integrações diversas depende do controle da empresa proprietária da plataforma, normalmente feito em pacotes ao mesmo tempo. Também é uma boa opção para quem quer começar com pouco investimento na plataforma e os valores fixos e obrigatórios mensais não inviabilizem o fluxo financeiro do negócio em si. A escalabilidade depende muito da empresa proprietária e existe boa limitação criativa para as áreas públicas do visual do e-commerce.

Alguns aspectos presentes com grande frequência nas plataformas alugadas ou de licenciamento.

– Aluguel com pagamento mensal.

– O aluguel mensal, normalmente é comercializado em planos ou pacotes, sendo que o preço de cada pacote pode variar conforme o faturamento, número de visitas, quantidade de produtos e outras variáveis possíveis da loja virtual. É aconselhável fazer um cálculo mínimo procurando estimar os primeiros 24 meses mediante o faturamento esperado para não ter surpresas. É um modelo bem recomendado para faturamentos menores ou que o custo fixo gerado pelo aluguel da plataforma não impacte o resultado operacional do negócio em si.

– Baixo custo de implementação inicial.

– Baixo poder de personalização e de criação.

– A proprietária da plataforma oferece suporte dependendo do plano que contratou.

– Implementação é relativamente rápida e tem baixa dependência da equipes da sua empresa como Marketing,  de Tecnologia da Informação (TI) da sua empresa

– Administração e intervenções simples podem ser feitas pelo administrador da loja virtual.

– A hospedagem, normalmente, é definida pela desenvolvedora da plataforma, já dentro do pacote de serviços selecionado.

- Como já dito antes, a escalabilidade é ruim.

 - Buscar uma agência especializada em criação digital e outra de soluções de internet para obter uma ferramenta própria; ou até mesmo formar uma equipe interna na sua empresa.

Contratar uma agência/empresa especializada para desenvolver uma solução completa de criação, sistemas e tudo que for essencial no ambiente web, com todas as integrações necessárias com sistemas legados e novos. 

Plataformas próprias. São plataformas onde a empresa contratante e usuária final contrata uma empresa especializada em criação e desenvolvimento de plataformas de comércio eletrônico e/ou outras empresas parceiras e também pode fazer tal desenvolvimento total ou parcial com equipes internas. Existe a opção da empresa contratante fazer o desenvolvimento com uma equipe interna própria ou alocada, porém é menos usual quando já não se tem esta equipe dimensionada e como parte integrante das atividades já existentes na empresa.

Para este modelo normalmente se tem um valor de investimento inicial maior, mas com valores obrigatórios mensais praticamente inexistentes ou até mesmo inexistentes, como é a maior incidência de casos, reduzindo assim os custos mensais frequentes descartados alugueis e taxas obrigatórias que permeiam o modelo das plataformas alugadas e às vezes as de open source.

Ao fazer esta opção pela plataforma própria ou não, é comum que as empresas avaliem o grau de investimento ao longo de pelo menos 24 meses, para ver quanto seria o investimento total versus limitação de escalabilidade versus grau de dependência de uma open source ou alugada para optar pela plataforma própria ou pelos modelos anteriores. É comum, no resultado desta análise, pelo faturamento esperado, se optar por uma plataforma própria que tem total liberdade de escalabilidade.  A liberação e desenvolvimento de plug-ins e web services para integrações diversas depende exclusivamente da vontade e disponibilidade de investimento da empresa contratante, você, que dará a velocidade de acordo com o conjunto de opções que tem.

– Não há pagamento de aluguel ou taxas obrigatórias.

- Total controle do código-fonte, hospedagem, melhorias, integrações, etc. Podendo continuar ou não com a empresa desenvolvedora ou outra, de acordo com sua necessidade para implantações e inovações futuras.

– O custo de implementação inicial é de médio para alto. Porém se comparado ao faturamento esperado, pode ser rapidamente amortizado na linha do tempo, deixando de ter pagamentos fixos desnecessários.

– Livre poder de personalização, de criação e de escalabilidade.

– É opcional a contratação da empresa desenvolvedora ou outra, por fee mensal, banco de horas, por job ou outras modalidades A proprietária da plataforma oferece suporte dependendo do plano que contratou, além do prazo de garantia da legislação.

– Implementação da solução depende da interação das suas equipes de Marketing, de Tecnologia da Informação (TI) e outros para aprovações e da capacidade de investimento da sua empresa além do tamanho do projeto em si. Difícil comparar tempo de implantação dos dois modelos anteriores com este, pois na maioria dos casos, o escopo desta solução é mais abrangente e personalizado, podendo  ter um prazo de entrega de 60 (sessenta) dias para mais do que as anteriores, dependendo do conjunto necessário, como também pode ser implantada em etapas, reduzindo o prazo de implantação.

– Administração e intervenções simples podem ser feitas pelo administrador da loja virtual.

– A hospedagem, via de regra, é estabelecida pela sua própria empresa, com assessoria ou não de uma empresa contratada.

Este último modelo, plataformas próprias, e as plataformas globais concentram, no Brasil, o maior volume de faturamento de lojas virtuais. Em contra partida, os dois primeiros modelos concentram o maior volume de lojas instaladas, e são bem concentradas para operações menores de comércio eletrônico, havendo algumas exceções.

 - Desenvolver uma estratégia de divulgação, através de empresas complementares ou uma única empresa que reúna todas as alternativas.

Em resumo, além da capacitação do(s) fornecedor(es) que vá escolher ou até mesmo contratar um consultor para esta decisão, é importante, que tenha todas as opções bem mapeadas, considerando o investimento inicial, os custos fixos e mensais que deverá ter e o que espera de retorno.

Se já tem um marca conhecida em algum segmento ou se já tem uma estrutura física faturando, a forma de análise será facilitada por já conhecer o dia a dia do seu negócio.

Caso esteja começando sem experiência alguma de atacado ou varejo, é prudente analisar com mais profundidade.

Qual opção escolher?

Analisar históricos de sucesso, cases e clientes da(s) empresa(s) a ser(em) contratada(s) para cada etapa ou se reunir em um único lugar.

Para mais dicas e opções de consulta favor acessar : http://www.vm2.com.br/cms-gerenciador-de-conteudo

Tags: extranet, intranet, site, cms, open source, portal web, opensource

Postado por em Geral, Marketing Digital

0
<< voltar

Comentários (0)

  1. Seja o primeiro a comentar.

Postar um novo comentário

Comentar como visitante:

*Conteúdos com asterisco são obrigatórios

Aviso: Após enviado, o seu comentário terá que ser aprovado pelos moderadores do blog da VM2 antes de ir para o ar.

Não se preocupe, isso é apenas para manter o controle do site.